Estabilidade oxidativa do biodiesel metílico de óleo de girassol de genótipos convencional e alto oleico

Larissa Oliveira Berbel, Edson Perez Guerra, Guilherme José Turcatel, Paulo Rogério Pinto Rodrigues, Tiago Sawczen, Everson do Prado Banczek

Resumo


Os óleos e seus produtos derivados são susceptíveis a oxidação, devido aos ácidos graxos insaturados presente em sua composição. O óleo e o biodiesel obtidos de oleaginosas apresentam valores baixos de estabilidade oxidativa, variando com o percentual de ácidos graxos insaturados. O presente trabalho visa o estudo da estabilidade oxidativa e caracterização do biodiesel obtido a partir de óleo de girassol com diferentes graus de insaturação. Foram selecionados três genótipos para extração mecânica do óleo, sendo dois do tipo convencional e um do tipo alto oleico. Posteriormente, o óleo vegetal foi submetido à reação de transesterificação via rota metílica utilizando-se de catálise homogênea. O biodiesel foi caracterizado para massa específica, teor de umidade, índice de acidez, índice de iodo, estabilidade oxidativa e teor de ésteres. Os biodieseis das variedades de óleos de girassol convencional apresentaram como características baixos valores de estabilidade oxidativa, porém o biodiesel derivado do óleo tipo alto oleico SYN 3950 apresentou maior estabilidade oxidativa e menores valores de índice de iodo indicando menor teor de insaturações. As análises cromatográficas do biodiesel do óleo alto oleico comprovaram os resultados obtidos, sugerindo que este resistirá a um período mais longo à oxidação.


Palavras-chave


óleo vegetal; transesterificação; catálise homogênea



Revista Ciências Exatas e Naturais - RECEN. Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO/PR, BRASIL.

ISSN 2175-5620 ON LINE; 1518-0352 IMPRESSO