Águas da transposição do Rio São Francisco na Paraíba: esgotos e inviabilidades municipais

Iluliane Maria Gadelha Correia, Janaina Barbosa da Silva

Resumo


A água doce de boa qualidade e quantidade é um recurso natural vital ao ser humano, contudo, sua poluição é causada em grande parte pelas ações antrópicas sobre o ambiente e correspondem às alterações das propriedades físicas, químicas ou biológicas dos elementos naturais, implicando em prejuízos à saúde humana, à sociedade e aos recursos naturais renováveis. Desse modo investigações em torno das condições naturais de rios e reservatórios e das políticas públicas consistentes, possibilita o combate à falta de água e o tratamento desta, permitem melhoria das condições gerais da população, sua distribuição e forma de organização social do espaço. Dessa forma, essa pesquisa objetivou identificar e mapear os munícipios abrangidos pelo Rio Paraíba no trecho Monteiro-Boqueirão–PB, analisando-os a partir de dados de saneamento ambiental no trecho perenizado pela transposição do Rio São Francisco. Analisaram-se onze municípios no alto curso do Rio Paraíba-PB que foram perenizados com a transposição do Rio São Francisco. Em todo trecho analisado foi perceptível o uso do solo é majoritariamente destinado à agricultura e pecuária, facilitado pouca cobertura do solo por vegetação nativa, onde a lixiviação e erosão do solo ocasionam assoreamento e eutrofização do corpo hídrico, além do desenvolvimento de cianobactérias. Dos municípios estudados observa-se que 64% estão abaixo da média com relação ao abastecimento de água tratada; 72% destes também se encontram abaixo da média com relação ao esgotamento sanitário o que traz para a população a diminuição de água potável para consumo, poluição do corpo hídrico e consequentemente a má qualidade das águas deste, tudo isto coloca em risco a saúde da população local devido a maior possibilidade de contaminação por doenças de veiculação hídrica.

Palavras-chave


Saneamento básico; Qualidade da água; Vulnerabilidade ambiental; Conservação; Geoprocessamento

Texto completo:

PDF

Referências


AB’ SABER, A. N. Sertões e sertanejos: uma Geografia Humana sofrida. Estudos avançados. São Paulo, v.13, n 36, p. 7-59, 1999. Disponível em:< www.periodicos.usp.br/eav/article/download/9474/11043 >. Acesso em: 15 dez. 2017

ALVES, T.L.B.; LIMA, V.L.A.; FARIAS, A.A. Impactos ambientais no Rio Paraíba na área do município de Caraúbas – PB: Região contemplada pela integração com a bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/viewFile/16758/10524 >. Acesso em: 25 nov. 2016

ARAÚJO, L. E.; SANTOS, M.J.; DUARTE, S.M.; OLIVEIRA, E.M. Impactos Ambientais em Bacias Hidrográficas – Caso da Bacia do Rio Paraíba. TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 2, p. 109-115, jul./dez. 2009

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm >. Acesso em: 15 dez. 2016

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional de

Saneamento Básico. 2008. Disponível em:< https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45351.pdf >. Acesso em: Maio de 2017

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Plano Nacional de Saneamento Básico-PLANSAB–2013.Disponívelem:< http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/AECBF8E2/Plansab_Versao_Conselhos_Nacionais_020520131.pdf >. Acesso em: 20 jan. 2017

BRASIL. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. Banco de Tabelas Estatísticas. 2017. Disponível em:< https://sidra.ibge.gov.br/home/pmc/brasil >. Acesso em: 20 jan. 2017

BRASIL. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Clima. 2017. Disponível em:< http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/efb/clima.html >. Acesso em: 20 jan. 2017

BRITO, F. B. O conflito pelo uso da água do açude Epitácio Pessoa (Boqueirão) – PB. Dissertação de Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFPB, João Pessoa – PB, 2008. 208 p. Disponível em: < http://www.geociencias.ufpb.br/posgrad/dissertacoes/franklyn_barbosa.pdf >. Acesso em: 20 jan. 2017

BRITO, F. B.; VIANNA, P. C. G. Açude do Boqueirão, dez anos de desacertos (1998-2008): da crise de abastecimento ao afogamento do conflito. 2008. (Apresentação de Trabalho/Seminário). Disponível em: < http://www.geociencias.ufpb.br/leppan/gepat/files/gepat024.pdf >. Acesso em: 25 maio. 2017

CHAVES, G.B.; GONÇALVES, D.J.; SOUZA, A.P.B. Avaliação dos Níveis de Microcistina na Água de Abastecimento Público da Região da Borborema – Análise de Fatores Ambientais. In: SOUZA, P.M.; SOUZA, A.P.B. COSTA, L.L. Saúde Ambiental um Olhar Reflexivo. Campina Grande: EPGRAF, 2013.

DANTAS, F.A.; LEONETI, A.B.; OLIVEIRA, S.V.W.B.; OLIVEIRA, M.M.B. Uma análise da situação do saneamento no Brasil. FACEF Pesquisa: Desenvolvimento e Gestão, v.15, n.3 - p.272-284 – set/out/nov/dez 2012. Disponível em: < http://periodicos.unifacef.com.br/index.php/facefpesquisa/article/viewFile/549/513 >. Acesso em:

ECV Instalações. Cloaca Máxima. Disponível em:< http://www.labeee.ufsc.br/~luis/ecv5644/clo.pdf >. Acesso em: 15 abr. 2017

GEO Independência. Mapa de John Snow revisitado. 23 de dezembro de 2013. Disponível em:< https://geoind.wordpress.com/2013/12/23/john_snow_revisitado/ >. Acesso em: 15 abr. 2017

HELLER, L. Saneamento e Saúde. Brasília: OPAS/OMS, 1997.

MARINHO, I.M.R.S.; NASCIMENTO, I.G. AVALIAÇÃO DO SANEAMENTO URBANO DE MACAPÁ ATRAVÉS DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO SANEAMENTO AMBIENTA. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharelado de Ciências Ambientais. Universidade Federal do Amapá. MACAPÁ-AP. 2014. 61p. Disponível em: < http://www2.unifap.br/cambientais/files/2014/08/AVALIA%C3%87%C3%83O-DO-SANEAMENTO-URBANO-DE-MACAP%C3%81-ATRAV%C3%89S-DO-%C3%8DNDICE-DE-QUALIDADE-DO-SANEAMENTO-AMBIENTAL.pdf >. Acesso em: 20 jan. 2017

MORAIS, R.D.; SILVA, J.B.; ARAUJO, A.R. Análise Espacial das Margens do Reservatório de Água Epitácio Pessoa -PB: Reflexões Sobre A Capacidade De Armazenamento. REA – Revista de estudos ambientais (Online). ISSN 1983 1501. v.16, n. 1, p.6-15, jan./jun. 2014

OLIVEIRA, J.D.; SILVA FILHO, A.C.; SILVA, J.B. A Água e suas Correlações com Doenças na Cidade de Campina Grande-PB.Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. Hygeia 13 (24): 92 - 109, Jun/2017

RIBEIRO, J.W.; ROOCKE, J.M.S. Saneamento Básico e sua Relação com o Meio Ambiente e a Saúde Pública. Curso de Especialização em Análise Ambiental da Universidade Federal de Juiz de Fora, UFRJ. 36p. Disponível em: < http://www.ufjf.br/analiseambiental/files/2009/11/TCCSaneamentoeSa%C3%BAde.pdf >. Acesso em: 20 jan. 2017

ROSEN, G. Uma história da saúde pública. São Paulo: HUCITEC, (Saúde em debate; 74). 1994

SANTANA, D. P. Manejo Integrado de bacias Hidrográficas. Documentos EMBRAPA. Sete Lagoas, MG, 2003. Disponível em:. Acesso em: 20 jan. 2017

SILVA, H.K. de S.; ALVES, R.F.F. O saneamento das águas no Brasil. In: O Estado das Águas no Brasil. BRASÍLIA: ANEEL, p. 83-102, 1999.

SILVA FILHO, A. C.; MORAIS, R. D.; SILVA, J. B. Doenças de Veiculação Hídrica: Dados Epidemiológicos, Condições de Abastecimento e Armazenamento da Água em Massaranduba/PB. Geoambiente On-line, v. 1, p. 83-97, 2013.

SILVA, J.B.; DUARTE, S.M.A. Intermittent Rivers of the Brazilian Northeast: the case of Alto Paraíba, Brazil. Ci. & Tróp. Recife, v. 41, n. 2, p. 129-148, 2017

SILVA, S. B. Cobrança pelo Lançamento de Efluentes: Simulação para a Bacia do rio Paraíba – PB. Curso de Pós Graduação em Engenharia civil e Ambiental, Dissertação de Mestrado, UFCG. Campina Grande, 2006. 177p. Disponível em: < http://www.hidro.ufcg.edu.br/twiki/pub/Cobranca0/CobrancaDocumentos/Dissertao_SimoneSilva.pdf >. Acesso em: 26 maio. 2017

SOARES, E. Seca no Nordeste e a transposição do Rio São Francisco. Belo Horizonte, 01 de Julho - 31 de Dezembro de 2013. Vol. 9, nº 2, 2013. Disponível em: < http://www.igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geografias/article/viewFile/593/463 >. Acesso em: 26 maio. 2017

TEIXEIRA, J.C.; GUILHERMINO, R.L. Análise da associação entre saneamento e saúde nos estados brasileiros, empregando dados secundários do banco de dados indicadores e dados básicos para a saúde 2003– IDB 2003. Eng. sanit. ambient. Vol.11 - Nº 3 - jul/set 2006, 277-282. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/esa/v11n3/a11v11n3.pdf >. Acesso em: 15 abr. 2017

XAVIER, R. A., DORNELLAS, P. C., MACIEL, J.S. e CICERO DO BÚ, J. Caracterização do regime fluvial da Bacia hidrográfica do Rio Paraíba – PB. Rev. Tamoios, São Gonçalo (RJ), ano 08, n. 2, pags. 15-28, jul/dez. 2012.




AMBIÊNCIA

Alameda Élio Antonio Dalla Vechia, n. 838,
Bairro Vila Carli – CEDETEG
85040-167  Guarapuava-Paraná-Brasil
ISSN 1808-0251 (Print) - Ambiência ISSN 2175-9405 (Online)

            

Periódicos Qualis - Plataforma Sucupira

Qualis B2 - Ensino

Qualis B3 - Interdisciplinar

Qualis B3 - Planejamento Urbano e Regional / Demografia

Qualis B2 - GEOGRAFIA


Large Visitor Globe     

                        Copyright © 2005-2021 Editora Unicentro
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.