Descrição da Arborização Urbana de Pérola D'oeste, Paraná, Brasil

Jaqueline Raquel Moretti, Luciana Pellizzaro

Resumo


A arborização urbana inclui a vegetação arbórea natural ou cultivada que uma cidade apresenta em áreas particulares, praças, parques e vias públicas. Nas cidades onde ocorre planejamento da arborização há preocupação em tornar o ambiente diversificado e envolvente, evitando conflitos pelo plantio de espécies inadequadas, que conflitem com os equipamentos urbanos ou apresentem riscos à população. Neste contexto, o presente trabalho objetivou diagnosticar a arborização urbana das vias públicas da cidade de Pérola d´Oeste, Paraná, Brasil, de modo a fornecer dados para planejamentos futuros na cidade. As quadras foram definidas como unidades amostrais e de um total de 126, 50 quadras foram sorteadas para avaliação da arborização existente em seus passeios. Foram observados 891 indivíduos, pertencentes a 57 espécies e 31 famílias botânicas. A espécie mais abundante foi Mangifera indica, com 21,7% do total de indivíduos, seguida de Cinnamomum burmannii, com 14,3%. A família Fabaceae mostrou maior riqueza, representada por nove espécies. Foi constatado que 81,7% das espécies do estudo eram exóticas e 18,3% nativas. Handroanthus albus, com 2,2%, foi a espécie nativa mais abundante, seguida da Tibouchina mutabilis, com 2,1%. O estudo apontou 19 espécies consideradas inadequadas para arborização das vias urbanas. A interação com artrópodes foi a mais frequente, ocorrendo em 87,2% das árvores. Em relação aos conflitos, poucos foram observados, sendo 8% com a rede elétrica e 9,7% com danos às calçadas e/ou edificações. De posse desses dados, é possível organizar um plano de adequações para a arborização, de modo que ela cumpra adequadamente suas funções.

Palavras-chave


Espécies arbóreas; Plano de Arborização; Espécies inadequadas;

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D. N. e RONDON NETO, R. M. Análise da arborização urbana de duas cidades da região norte do estado de Mato Grosso. Revista Árvore, v.34, n.5, p. 899-906, mar., 2010.

ALMEIDA, R. B. de., FERREIRA, O. M. Calçadas Ecológicas: Construção e Benefícios Sócio-Ambientais. 2008. Disponível em: .Acesso em: 10 out. 2018.

BIONDI, D.; LEAL, L.; SCHAFFER, M. Aspectos Importantes das Plantas Ornamentais em Escolas Públicas Estaduais da Cidade de Curitiba, Paraná. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v.3, n.3, p. 267-275, jul/set., 2008.

BORTOLETO, S. Inventário Quali-Quantitativo de Arborização Viária da Estância de Águas de São Pedro-SP. 2004. 99f. Dissertação (Mestrado em Agronomia) - Universidade de São Paulo, Piracicaba, mai., 2004.

BLUM, C. T.; BORGO, M.; SAMPAIO, A.C.F. Espécies Exóticas Invasora na Arborização de Vias Públicas de Maringá – PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba, v.3, n.2, p.78-97, jun., 2008.

BRUN, F. G. K.; LINK, D.; BRUN, E. J. O emprego da arborização na manutenção da biodiversidade de fauna em áreas urbanas. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba, v.2, n.1, p 117-127, 2007.

CABRAL, D. I. P. Arborização Urbana: problemas e benefícios. Revista Especialize On-Line IPOG, v. 1, n. 6, pp.1-15, dez., 2013.

CARIÑANOS, P.; CASARES-PORCEL, M. Urban green zones and related pollen allergy: A review. Some guidelines for designing spaces with low allergy impact. Landscape and Urban Planning, Amsterdam, v.101, pp. 205-214, 2011.

COPEL, Guia de arborização de vias públicas. 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2018.

ELIASARO, S. et al. Inventário de macroliquens epífitos sobre árvores utilizadas na arborização urbana em Curitiba, Paraná, Brasil: Subsídio para biomonitoramento urbano. Revista Biotemas, v.22, n.4, p.1-8, dez., 2009.

ESSMANN, H. F. et al. Influence of globalization on forests and forestry. Allgemeine Forst und Jagdzeitung, Frankfurt, v. 178, n. 4, p. 55-86, 2006.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA. Manuais Técnicos em Geociências Manual técnico da vegetação brasileira. 1992 Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA. Cidades. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2018.

IPARDES – INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Caderno Estatístico: Município de Pérola D’oeste. 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2018.

KÜSTER, L. C. et al. Avaliação de riscos e procedência de espécies arbóreas nas escolas estaduais de Lages, SC. Revista de Ciências Agroveterinárias. v.11, n.2, p.118-125, 2012.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v. 2, 2002.

LORENZI, H. et. al. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas.1 ed. Nova Odessa: instituto Plantarum de estudos da flora, v.3, 2003.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v. 1, 2008.

LORENZI, H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil. 5 ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, v. 3, 2009.

LORENZONI, C. F. et al. Allergy to pollen of urban cultivated plants. Aerobiologia, Córdoba, v.16, p.313-316, 2000.

MARCHETTI, B. et al. Inventário Parcial da Arborização Francisco Beltrão, Paraná. In: 1º CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. 2. 2016. Umuarama. Anais...Umuarama: Unipar, 2016.

MAZIOLI, B. C. Inventário e diagnóstico da arborização urbana de dois bairros da cidade de Cachoeiro do Itapemirim, ES. 2012. 43f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Espírito Santo, Jerônimo Monteiro, 2012.

MAYER, C. L. D. Análise de Conflitos da Arborização de Vias Públicas Utilizando Sistemas de Informações Geográficas: Caso Irati, Paraná. 2012. 74f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Estadual do Centro – Oeste, Irati, 2012.

MELO, E.F.R.Q.; ROMANINI, A. Importância da praça na arborização urbana. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARBORIZAÇÃO URBANA, 9., 2005, Belo Horizonte. Anais... São Luís: Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2005, 12p.

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO PARANÁ. Comitê de Trabalho Interinstitucional para Análise dos Planos Municipais de Arborização Urbana no Estado do Paraná. Manual para Elaboração do Plano Municipal de Arborização Urbana. Paraná, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 de abr. 2018.

MIRANDA, T. O.; CARVALHO, S. M. Levantamento Quantitativo e Qualitativo de Indivíduos Arbóreos Presentes nas vias do Bairro da Ronda em Ponta Grossa-PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba, v.4, n.3, p 143-157, 2009.

MONTEIRO, K. L. et. al. Caracterização morfológica de frutos, de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de Licania tomentosa (Benth.) Fritsch. Revista Ciência Natural. Santa Maria. v.42, n.1, p.90-97, jan. 2012.

OLIVEIRA, F. A. C. et al. Inventário da Arborização do Campus Pato Branco da Universidade Tecnológica do Paraná. 2009. 14f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) – Universidade Tecnológica do Paraná, Pato Branco, 2009.

OLIVEIRA, A., CARVALHO, S. M. Arborização de vias públicas e aspectos sócio-econômicos de três vilas de Ponta Grossa, PR. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana. Piracicaba, v. 5, n. 3, p. 42-58, 2010.

PARANÁ. Portaria IAP Nº 059: Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Paraná, Estabelece Normas de Controle e dá Outras Providências. Diário Oficial do Estado, Curitiba, 2015.

PARANÁ. Lei Estadual n° 15.953, de 24 de setembro de 2008. Lei: Proíbe o plantio, comércio, transporte e produção da planta Murta (Murraya paniculata), por ser vegetal hospedeiro da bactéria Candidatus liberibacter ssp., disseminada pelo inseto vetor Diaphorina citri, transmissor da praga denominada Huanglongbing (HLB - Greening). Diário Oficial do Estado, Curitiba, 2008.

PONTES, C. R. Inventário das Espécies Arbóreas das Vias Urbanas de Itapejara D’Oeste, Paraná, Brasil. 2018. 31f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná, 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA HELENA. Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente. Plano Municipal de Arborização Urbana de Santa Helena – PMAUSH (PR), 2016. Disponível em: < http://www.santahelena.pr.gov.br/uploads/arquivos/09planoarb.pdf>. Acesso em: 11 de nov. 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Secretária Municipal do verde e do meio ambiente. Manual técnico de Arborização Urbana, 2006. Disponível em: < https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/meio_ambiente/MARBOURB.pdf>. Acesso em: 20 de out. 2018.

RAMOS, V. S. et al. Árvores da Floresta Estacional Semidecidual. Guia de identificação de espécies. São Paulo: Edusp, 2008.

RIBEIRO, H. et al. Pollen allergenic potential nature of some trees species: A multidisciplinary approach using aerobiological, immunochemical and hospital admissions data. Environmental Research, San Diego, v.109, p.328-333, 2009.

ROSSATTO, D. V.; TSUBOY, M. S. F.; FREI, F. Arborização Urbana na Cidade de Assis-SP: Uma Abordagem Quantitativa. Revista Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, v. 3, n. 3, p. 1-16, set., 2008.

SILVA, A. G. Inventário da Arborização Urbana Viária: Métodos de Amostragem, tamanho e forma de Parcelas. 2003. 124f. Tese (Pós graduação em Ciência Florestal) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2003.

SILVA R. T. L. et al. Análise da Biodiversidade Florística Arbórea em Três Vias Públicas Do Bairro Centro do Município de Dois Vizinhos, PR. Revista Synergismus Scyentifica, Pato Branco, v.6, n.1, pp.10. jun. 2011.

SOARES, J. Inventário da Arborização Urbana do Munícipio de Ampére, Paraná, Brasil. 2018. 32f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná, 2018.

SOARES, M. P. Verdes urbanos e rurais: orientação para arborização de cidades e sítios campesinos. Porto Alegre: Cinco Continentes, 1998. 242p.

SOSMA – SOS MATA ATLANTICA. Manual técnico de arborização urbana. Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. São Paulo: Ibraphel, 2015, 118 p. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2018.

YAMAMOTO, P. T. Controle de insetos vetores de bactérias causadoras de doenças em citros. Manejo Integrado de Pragas dos Citros. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2018.

YOSHIDA, S. et al. Camellia pollinosis and characterization of the allergens. Japanese Journal of Palynology, Tóquio, v.48, p.85-93, 2002.




AMBIÊNCIA

Alameda Élio Antonio Dalla Vechia, n. 838,
Bairro Vila Carli – CEDETEG
85040-167  Guarapuava-Paraná-Brasil
ISSN 1808-0251 (Print) - Ambiência ISSN 2175-9405 (Online)

            

Periódicos Qualis - Plataforma Sucupira

Qualis B2 - Ensino

Qualis B3 - Interdisciplinar

Qualis B3 - Planejamento Urbano e Regional / Demografia

Qualis B2 - GEOGRAFIA


Large Visitor Globe     

                        Copyright © 2005-2021 Editora Unicentro
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.