Determinação da área foliar específica de diferentes espécies de três fitofisionomias do Pantanal Sul

Kaio Vinicius Lira da Silva Bastos, Juliano Van Melis, Andrea Nunes Vaz Pedroso, Anderson Luiz dos Santos, Nelson Menolli

Resumo


Diferentes estratégias adaptativas são observadas nas plantas em resposta às variações ambientais e a determinação da área foliar específica (SLA) pode ser um parâmetro evidenciar tais estratégias. O objetivo deste estudo foi determinar a SLA em três fitofisionomias (Cerradão, Mata Ciliar e Paratudal) do Pantanal Sul, Corumbá – MS, a fim de relacionar a plasticidade foliar e os ambientes. Análises estatísticas apontaram diferenças significativas entre os valores de SLA dos ambientes e também para as famílias e morfoespécies comuns às áreas de estudo. O presente trabalho evidencia que diferentes padrões morfológicos são estratégias observadas em resposta às variações ambientais e ecológicas.

Palavras-chave


fotossíntese; plasticidade fenotípica; SLA; traços funcionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, E. M de; ALVES, M. A. Fenologia de Psychotria nuda e P. brasiliensis (Rubiaceae) em uma área de Floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horinzonte, v. 14, n. 3, p. 335−346, 2000.

ARAÚJO, S. A. C.; DEMINICIS, B. B. Revisão Fotossíntese e fotoinibição. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 7, n. 4, p. 463-472, 2009.

BATTILANI, J. L.; SCREMIN-DIAS, E.; SOUZA, A. L. T. de. Fitossociologia de um trecho da mata ciliar do rio da Prata, Jardim, MS, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Belo Horizonte, v. 19, n. 3, p. 597−608, 2005.

BRADSHAW, A. D. Evolutionary significance of phenotypic plasticity in plants. Advances in genetics, v. 13, p. 115−155, 1965.

CAMINHA, A. F. Patrimônio natural da humanidade, Pantanal guarda biodiversidade única. Ministério do meio ambiente, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2016.

CARDOSO, E. L.; SILVA, M. L. N.; CURI, N.; FERREIRA, M. M.; FREITAS, D. A. F. de. Qualidade química e física do solo sob vegetação arbórea nativa e pastagens no Pantanal Sul-Mato-Grossense. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 35, n. 02, p. 613−622, 2011.

DALMAGRO, H. J.; et al. Physiological responses to extreme hydrological events in the Pantanal wetland: heterogeneity of a plant community containing super‐dominant species. Journal of Vegetation Science, v. 27, n.3, 2016.

DOSTÁL, P. et al. No evidence for larger leaf trait plasticity in ecological generalists compared to specialists. Journal of Biogeography, v. 44, n. 3, p. 511-521, 2017.

EVANS, J. R.; POORTER, H. Photosynthetic acclimation of plants to growth irradiance: the relative importance of specific leaf area and nitrogen partitioning in maximizing carbon gain. Plant, Cell & Environment,, v. 24, n. 8, p. 755−767, 2001.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas Cerrado e Pantanal. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, p. 23−37, 2005.

FIDALGO, O.; BONONI, V. L. R. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, Instituto de Botânica, 1989.

FREITAS, W. K.; MAGALHÃES, L. M. S. Métodos e parâmetros para estudo da vegetação com ênfase no estrato arbóreo. Floresta Ambiental, Seropédica, v. 19, n. 4, p. 520−539, 2012.

GOBBI, K. F. et al. Área foliar específica e anatomia foliar quantitativa do capim braquiária e do amendoim-forrageiro submetidos a sombreamento. Revista Brasileira de Zootecnia,Viçosa, v. 40, n. 7, p. 1436−1444, 2011.

GUZMÁN, L. C., BAKKER, Y. V.; RODRIGUES, A. C. Convergência de Atributos Funcionais e Plasticidade Fenotípica entre diferentes Fitofisionomias dos Cerrados. Ecologia, São Paulo: UNICAMP, p. 111−124, 2013.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Mapa de Biomas do Brasil; primeira aproximação. Rio de Janeiro: IBGE, p. 7-8, 2004. Disponível em : . Acesso em: 23 mar. 2017.

IVANOVA, L.A.; P’YANKOV, V. I. Structural adaptations of the leaf mesophyll to shading. Russian Journal of Plant Physiology, v. 49, n. 3, p. 419−431, 2002.

HOFFMANN, W. A.; et al. Specific leaf area explains differences in leaf traits between congeneric savanna and forest trees. Functional Ecology, v. 19, p. 932−940, 2005.

KUNSTLER, G. et al. Plant functional traits have globally consistent effects on competition. Nature, v. 529, n. 7585, p. 204−207, 2016.

LAMBERS, H.; PONS, T. L.; CHAPIN III, F. S. Plant physiological ecology. 2. ed. Nova Iorque: Springer, 1998.

LARSON, R.; FARBER, B. Estatística Aplicada. 4. ed. São Paulo: Person Prentice Hall, 2010.

LEMOS, P. et al. Folhas caras ou baratas? Estratégias de aquisição e uso de recursos de uma hemiepífita. Prática da pesquisa Ecologia da Mata Atlântica, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2011.

MENDONÇA, A. C. A. M.; et al. Rubiaceae: aspectos ecológicos e reprodutivos. Cadernos de Cultura e Ciência, v. 12, n. 2, p. 8−20, 2013.

OGUCHI, R.; HIKOSAKA, K.; HIROSE, T. Does the photosynthetic light-acclimation need change in leaf anatomy? Plant, Cell and Environment, v. 26, p. 505–512, 2003.

OKAJIMA, K. Molecular mechanism of phototropin light signaling. Journal of plant research, v. 129, n. 2, p. 149–157, 2016.

PEIXOTO, C. P.; CRUZ, T. V.; PEIXOTO, M. F. S. Análise quantitativa do crescimento de plantas: Conceitos e Prática. Enciclopédia Biosfera, Goiânia v. 7, p. 51−76, 2011.

PEREIRA, G.; CHÁVEZ, E. S.; SILVA, M. E. S. O estudo das unidades de paisagem do bioma Pantanal. AmbiAgua, Taubaté, v. 7, n. 1, p. 89−103, 2012.

PINHEIROS, T. F. et al. Relação entre área específica da folha (SLA) e herbívora em clareira e sub-bosque em uma floresta de terra firme na Amazônia Central. Manaus: INPA, 2006.

POTT, V. J.; POTT, A. Potencial de uso de plantas aquáticas na despoluição da água. Embrapa, 2002.

POTT, A.; POTT, V. J. Vegetação do Pantanal: fitogeografia e dinâmica. In: Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, MS, Anais...,MS, p. 1065−1076, 2009.

POTT, A.; POTT, V. J.; DAMASCENO JÚNIOR, G. A. Fitogeografia do Pantanal. In: III CLAE e IXCEB, São Lourenço, MG. Anais... São Lourenço: SEDE, 2009. p. 1−4.

POTT, A.; et al. Plant diversity of the Pantanal wetland. Brazilian Journal of Biology, São Carlos, v. 71, n. 1, p. 265−273, 2011.

REIS, E.; et al. Estatística aplicada, v. 2. 5. ed. Lisboa: Edições Sílabo, p. 21−26, 1999.

SABBI, L. B. C.; ÂNGELO, A. C.; BOEGER, M. R. Influência da luminosidade nos aspectos morfoanatômicos e fisiológicos de folhas de Schinus terebinthifolius Raddi (Anacardiaeae) implantadas em duas áreas com diferentes graus de sucessão, nas margens do Reservatório Iraí, Paraná, Brasil. Iheringia, Série Botânica, Porto Alegre, v. 65, n. 2, p. 171−181, 2010.

SALIS, S. M. et al. Distribuição e abundância de espécies arbóreas em cerradões no Pantanal, Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Brazilian Journal of Botany, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 339−352, 2006.

SALOMÃO, A. K. D. et al. Fitossociologia e florística de um trecho da mata ciliar do Rio Miranda, Miranda, MS, Brasil. In: II Simpósio Internacional Savanas Tropicais, Anais ... Brasília: EMBRAPA, DF, 2008.

SAN MARTIN-GAJARDO, I.; MORELLATO, L. P. C. Fenologia de Rubiaceae do sub-bosque em floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, São Paulo, v. 26, n. 3, p. 299−309, 2003.

SCALON, M. C.; FRANCO, A. Influência dos fatores ambientais na área foliar específica de espécies lenhosas do cerrado. ln: VIII Congresso de Ecologia do Brasil, Caxambu, Minas Gerais. Anais:... Caxumbu: SEB - Mina Gerais, 2007. p. 1−2.

SILVA, J. S. V.; ABDON, M. M. Delimitação do Pantanal brasileiro e suas sub-regiões. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 33, p. 1703−1711, 1998.

SILVA, L. C. R.; et al. Deciphering earth mound origins in central Brazil. Plant and Soil, v. 336, n. 1−2, p. 3−14, 2010.

SIMON, M. N. Acomodação fenotípica e acomodação genética: evidências e questões não resolvidas em macroevolução. Revista da Biologia, São Paulo, v. 6a, p. 1−5, 2011.

SOARES, J. J.; OLIVEIRA, A. K. M. O Paratudal do Pantanal de Miranda, Corumbá-MS, Brasil. Revista Árvore, Viçosa, v. 33, n. 2, p. 339−347, 2009.

SOUZA, A. G.; et al. Relações entre atributos morfo-funcionais e estratégias ecológicas em duas comunidades de Cerrado em Itipirana, Ecologia de campo, São Paulo, 2007.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. J. Chave de identificação: para as principais famílias de angiospermas nativas e cultivadas do Brasil. 3. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudo da Flora, 2014.

SULTAN, S. E. Promising directions in plant phenotypic plasticity. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics, v. 6, n. 4, p. 227−233, 2004.

SULTAN, S. E. Plant developmental responses to the environment: eco-devo insights. Current opinion in plant biology, v. 13, n. 1, p. 96−101, 2010.

VALLADARES, F.; GIANOLI, E.; GÓMEZ, J. M. Ecological limits to plant phenotypic plasticity. New Phytologist, v. 176, n. 4, p. 749−763, 2007.

VITARELLI, N. C. Morfoanatomia foliar da reófita facultativa Psychotria carthagenensis Jacq. (Rubiaceae). 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Departamento de Botânica, Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal.

VOLTAN, R. B. Q.; FAHL, J. I.; CARELLI, M. L. C. Variação na anatomia foliar de cafeeiros submetidos a diferentes intensidades luminosas. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, Campinas, v. 4, n. 2, p. 99−105, 1992.

WANDERLEY, M. G. L.; SHEPHERD, G. J.; MELHEM, T. S. Flora fanerogâmica do estado de São Paulo, v. 5, São Paulo: Editora RiMA, 2003.

WRIGHT, I. J et al. The worldwide leaf economics spectrum. Nature, v. 428, n. 6985, p. 821−827, 2004.




AMBIÊNCIA

Alameda Élio Antonio Dalla Vechia, n. 838,
Bairro Vila Carli – CEDETEG
85040-167  Guarapuava-Paraná-Brasil
ISSN 1808-0251 (Print) - Ambiência ISSN 2175-9405 (Online)

            

Periódicos Qualis - Plataforma Sucupira

Qualis B2 - Ensino

Qualis B3 - Interdisciplinar

Qualis B3 - Planejamento Urbano e Regional / Demografia

Qualis B2 - GEOGRAFIA


Large Visitor Globe     

                        Copyright © 2005-2021 Editora Unicentro
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.