Metodologias de capacidade de suporte em Áreas Naturais Protegidas: a utilização do método geográfico na análise ambiental

Ana Luiza Fortes da Silva, Vicente Paulo dos Santos Pinto, Cézar Henrique Barra Rocha

Resumo


As Áreas Naturais Protegidas surgiram em um momento em que as questões ambientais dividiam os estudiosos entre os que desejavam manter a natureza intacta, ou melhor, “selvagem” – preservacionistas – e os que visavam mesclá-la a um ideal desenvolvimentista – os conservacionistas. Nesse ínterim, a questão ambiental está, por vezes, refletida na Ciência Geográfica uma vez que sua abrangência refletia o entendimento da relação homem, natureza e meio ambiente. Os métodos geográficos buscavam dar cientificidade a Geografia a partir da maneira em que eram conceituados os termos “homem” e “natureza”. Assim, tendo em vista que a crise ambiental pode ser sentida como crise do conhecimento, a compreensão dos métodos geográficos que perpassam a capacidade de carga em Áreas Naturais Protegidas justifica a realização dessa pesquisa. Nesse sentido, objetiva-se verificar o conceito de capacidade de suporte e como ele foi estabelecido nas Áreas Naturais Protegidas tendo em vista as correntes metodológicas geográficas vigentes em cada lapso temporal. Para tanto, recorreu-se a revisão de literatura sobre a temática a partir da consulta as plataformas virtuais Google Acadêmico, Science Direct e ResearchGate, foram utilizados dois conjuntos de termos de busca a seguir expostos: capacidade de carga – origem – Unidades de Conservação; bem como análise ambiental – Unidades de Conservação – método geográfico; quando houve a necessidade da procura por textos em língua inglesa os termos foram: carrying capacity – origin; Protect Natural Areas; e environmental analysis – Natural Protected Areas – Geographical method. Portanto, pode-se concluir que a capacidade de suporte pode ser entendida como medida conservacionista devido ao seu utilitarismo tendo o método a ela vinculado variado conforme o momento histórico.


Palavras-chave


Capacidade de Carga; Áreas Naturais Protegidas; Epistemologia da Geografia;

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Ministério de Meio Ambiente. Roteiro Metodológico para Manejo de Impactos de Visitação: com Enfoque na Experiência do Visitante e na Proteção dos Recursos Naturais e Culturais. Brasília: ICMBIO, 2011. 88 p.8

______. Rol de Oportunidades de Visitação em Unidades de Conservação – ROVUC. Organizadores: Allan Crema e Paulo Eduardo Pereira Faria. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio, 2018.

CAMARGO, José Carlos Godoy; ELESBÃO, Ivo. O problema do método nas Ciências Humanas: o caso da Geografia. Mercator: Revista de Geografia da UFC, Fortaleza, n. 6, p.7-18, dez. 2004.

CATTANEO, Dilermando. Identidade Territorial em Unidades de Conservação: ponto de apoio para uma análise epistemológica da questão ambiental. 2004. 113 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geografia, Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

CIFUENTES, M. Determinación de Capacidad de Carga Turística em Áreas Protegidas. Centro Agronômico Tropical de Investigación y Ensenãnza - CATIE, Turrialba, Costa Rica, 1992.

DA SOLLER, Juliane Magagnin; BORGHETTI, Cristiano. Capacidade de Carga Turística: Um Estudo no Caminhos Rurais de Porto Alegre, RS. Rosa dos Ventos-Turismo e Hospitalidade, v. 5, n. 3, 2013.

FRANCO, José Luiz de Andrade; SCHITTINI, Gilberto de Menezes; BRAZ, Vivian da Silva. História da conservação da natureza e das áreas protegidas: panorama geral. 2015.

GOMES, Diogo Antônio Queiroz. Análise da sustentabilidade na gestão da visitação pública no Parque Estadual da Serra do Conduru (PESC-BA). VII CONNEPI: Ciência, Tecnologia e Inovação: ações sustentáveis para o desenvolvimento regional, Palmas/TO, v. 1, n. 7, p.1-6, out. 2012.

HAUFF, Shirley Noely. “Aplicação do Espectro de Oportunidades de Recreação (Recreation Opportunity Spectrum – ROS) para Unidades de Conservação Brasileiras”. In: Rede Nacional Pro Unidade de Conservação, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, Anais II Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Campo Grande, 2000.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

LIMBERGER, Pablo Flôres; PIRES, Paulo dos Santos. A aplicação das metodologias de capacidade de carga turística e dos modelos de gestão da visitação no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, Natal, v. 2, n. 1, p.27-48, jun. 2014.

LOPES DE LIMA, Elias. O mito do “fator antrópico” no discurso ambiental geográfico. Mercator-Revista de Geografia da UFC, v. 14, n. 3, 2015.

MATHEUS, Fabricio Scarpeta. Capacidade de Carga e Manejo de Visitantes. 2003. 90 f. TCC (Graduação) - Curso de Turismo, Departamento de Relações Públicas, Publicidade e Turismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

MCCOOL, Stephen F.; LIME, David W. Tourism carrying capacity: tempting fantasy or useful reality?. Journal of Sustainable Tourism, v. 9, n. 5, p. 372-388, 2001.

MENDONÇA, Francisco. Geografia socioambiental. Terra Livre, v. 1, n. 16, p. 113-132, 2001.

MINAS GERAIS. INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS. Adendo ao Plano de Manejo do Parque Estadual do Ibitipoca: Atualização do estudo de capacidade de carga contido no Programa de Visitação - Encarte 2. Belo Horizonte: IEF, 2014.

MOREIRA, R. Para onde vai o pensamento geográfico? Por uma epistemologia crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

PIRES, Paulo Santos. " Capacidade de carga" como paradigma de gestão dos impactos da recreação e do turismo em áreas naturais. Revista Turismo em Análise, v. 16, n. 1, p. 5-28, 2005.

SALVIO, Geraldo Majela Moraes. Áreas Naturais Protegidas e Indicadores Socioeconômicos: O desafio da conservação da natureza. Jundiaí, Paco Editorial: 2017. 216 p.

SAYRE, Nathan F.. The Genesis, History, and Limits of Carrying Capacity. Annals Of The Association Of American Geographers, [s.l.], v. 98, n. 1, p.120-134, 5 fev. 2008. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/00045600701734356.

SILVA, Ana Luiza Fortes da. Capacidade de Suporte do Circuito das Águas, Parque Estadual do Ibitipoca, Minas Gerais, Brasil. 2020. 182 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geografia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2020.

SOUTO, RAQUEL DEZIDÉRIO. O papel da geografia em face da crise ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 87, p. 197-212, Aug. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870012.

UNITED STATES OF AMERICA. United States Forest Service USDA. Departament Of Agriculture. Connecting People with America’s Great Outdoors: a Framework for Sustainable Recreation. Washington DC: United States Forest Service, 2010. 9 p




AMBIÊNCIA

Alameda Élio Antonio Dalla Vechia, n. 838,
Bairro Vila Carli – CEDETEG
85040-167  Guarapuava-Paraná-Brasil
ISSN 1808-0251 (Print) - Ambiência ISSN 2175-9405 (Online)

            

Periódicos Qualis - Plataforma Sucupira

Qualis B2 - Ensino

Qualis B3 - Interdisciplinar

Qualis B3 - Planejamento Urbano e Regional / Demografia

Qualis B2 - GEOGRAFIA


Large Visitor Globe     

                        Copyright © 2005-2021 Editora Unicentro
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 Unported License.